segunda-feira, 30 de novembro de 2009

Campanha SOU DA PAZ 10 anos


Por SuperUser Account Ligado
O dia 14 de novembro foi de muita comemoração para o Sou da Paz. No programa Altas Horas, apresentado por Serginho Groisman, o Instituto lançou sua campanha publicitária de 10 anos. A campanha foi criada voluntariamente pela agência DM9 e foi produzida pela Cine. Participaram das gravações os artistas Carolina Ferraz, Marieta Severo, Marisa Orth e o próprio Serginho Groisman.



“A campanha é uma forma de mostrar à sociedade a trajetória do Sou da Paz nestes dez anos. Além de ser uma comemoração, é uma prestação de contas e não poderíamos deixar de fazer isso ao lado do Serginho, que tem nos apoiado desde o início”, conta o diretor executivo do Sou da Paz, Denis Mizne, que esteve no Altas Horas para conversar com a platéia e os convidados.


A Rede Globo, TV Cultura, TVA e CarTaxi já se comprometeram a veicular gratuitamente a campanha, que também está disponível no canal do Sou da Paz no Youtube (veja aqui). Todos podem contribuir para que os resultados sejam divulgados. Se você conhece algum meio de comunicação que pode veicular gratuitamente o vídeo, entre em contato pelo email roberta@soudapaz.org

sábado, 28 de novembro de 2009

Twitter no Japão cria modelo pago para contas premium a partir de janeiro



Essa notícia, postada ontem (27/11) pela Techcrunch, serve para pensarmos se esse modelo funcionaria aqui no Brasil.

A matéria diz que o Twitter japonês, que tem controle meio que independente do Twitter do resto do mundo, e foi o primeiro a introduzir formatos publicitários em suas páginas, pretende cobrar dos usuários uma taxa para seguirem usuários premium. Essas taxas variariam de $1.15 a $11.5 e seriam cobradas via cartão de crédito ou debitadas na sua conta de celular, e o Twitter ficaria com 30% dessa grana, e o usuário que está sendo seguido ganharia com o resto.

E por aqui. Como isso funcionaria?
Sabemos que a internet no Brasil ganhou essa cultura de que não se paga por conteúdo. O usuário não sabe pagar, e quem gera conteúdo, seja um jornal ou um twitteiro, não sabem cobrar.

Digo que isso é um problema do Brasil, porque lentamente a maturidade do mercado externo valoriza o conteúdo. Um agravante que ainda temos aqui é o fato de que é possível comprar os últimos lançamentos em games, filmes, séries e softwares em qualquer banquinha no meio de uma rua.

E aí ficam as perguntas:

Será cultural a opção do Twitter em manter uma operação exclusiva pro Japão?

Será que o aumento de usuários brasileiros na “ferramenta de micro-blog” (como um grande canal de TV costuma rotular) faria com que um modelo específico fosse desenvolvido para os usuários mal educados daqui?

O que seria considerado usuário premium? Contas de empresas que usam o Twitter como gerenciador de conteúdo ou usuários celebridade com trilhões de seguidores? Você, pagaria para ver o @cnn, pra ver o @realwbonner ou não pagaria pra ver nada?


fonte: Braistorm9

sexta-feira, 27 de novembro de 2009

Brahma: o 1º patrocinador oficial da Copa do Mundo de 2010

A Brahma será patrocinadora oficial da Copa do Mundo de 2010, que será realizada na África do Sul. É a primeira vez que uma marca brasileira irá patrocinar a maior competição de futebol do planeta.


O primeiro comercial desenvolvido pela marca para anunciar o patrocínio, tem como garoto-propaganda o atacante da seleção brasileira Luís Fabiano, que de acordo com a Brahma representa o estilo “Brahmeiro” de ser: guerreiro, batalhador e que não desiste dos seus sonhos.


Segundo o presidente de marketing da empresa, Marcel Fernandes, “A Brahma está preparando uma série de ações para envolver os torcedores brasileiros no clima do torneiro, mostrando que tanto os jogadores que entram em campo como os brasileiros são guerreiros que batalham e não desistem dos seus sonhos”.

Além do vídeo que tem Luis Fabiano, a Brahma, novamente através da África, já fez o mais novo vídeo em relação a Copa do Mundo 2010:


segunda-feira, 23 de novembro de 2009

Teste das Cervejas

Este comercial é bastante interessante. Ele traz cenas de pessoas que se surpreendem ao comparar Kaiser com a sua cerveja preferida. Para verificar qual é a cerveja preferida dos consumidores em 09 das principais capitais do país*, foi realizado através do Instituto de Pesquisas Data Folha o Teste das Cervejas, marca Kaiser versus as 4 principais marcas concorrentes no mercado nacional.
Além dos víedo, a Kaiser lançou como outro artifíco publicitário o site: www.testedascervejas.com.br

É um comercial que foge dos tradicionais comerciais de cerveja, que trazem estereótipos de cervejeiros e mulheres "gostosas" (desculpa, não encontrei outra palavra). O Teste das Cervejas diz claramente o nome das cervejas concorrentes, outra fator difícil de encontrar nos comerciais brasileiros de cerveja. O interessante é que os protagonistas do comercial são pessoas comuns que experimentem a cerveja e se surpreendem.

Sem mais, aqui está o comercial:

sábado, 21 de novembro de 2009

Propaganda das Sandálias Dupé

Não é anatômica, mas é de borracha e é bom demais! Sim, é isto que a propaganda da "Dupé" diz no jingle do novo comercial das sandálias. Faz tempo que está no ar e estranhamente, ainda não retiraram da cena. Pesquisando no youtube vi que já existe outra versão substituindo o nome anatômicas, termo usado nas propagandas das Sandálias Ipanema, para "As Outras".

O comercial além de ser super ousado, traz Joelma e Chimbinha, ambos integrantes da Banda Calypso, para fazer as coreografias e cantar o jingle do comercial. Nele, os clientes e vendedores também se envolvem no ritmo que as Sandálias trazem para o ambiente e dançam junto aos músicos.

A marca se utiliza dos "benefícios" que a sandália traz para o conforto dos pés dos clientes. E a partir daí desenvolve toda sua linha de anúncios e comercial, bem coloridos. O comercial perde um pouco o foco colocando dois músicos para fazer a coreografia, ficando desta forma sem coerência com o real sentido do comercial. De todo modo, ele se constitui enquanto propaganda ousada e engraçada:

"Se as outras escorregam e esquentam o seu pé
Esqueça as anatômicas e venha pra Dupé
Dupé é de borracha
Dupé é bom demais
Dupé é confortável
E dura muito, muito mais"


Vídeo no youtube

sexta-feira, 20 de novembro de 2009

Armário

Eu sei que já faz um tempo desde a Parada gay, mas este comercial é interessante do ponto de vista da criatividade. Ele se utiliza de uma expressão que já é intrínseca do linguajar do brasileio, mas sem ao menos citar esta expressão (sair do armário) nem revelar o intuito logo de cara. Além disso, é visivelmente filmado em Salvador (dá pra perceber Ondina).
É um comercial feito pela Propeg para OITAVA PARADA GAY DA BAHIA - que aconteceu 25 de outubro de 2009, 11 horas, no Campo Grande, Salvador, Bahia.
Outra coisa, é um comercial sem fins lucrativos.


Propaganda Telefônica

Olá!
O curso de Comunicação Publicitária e Mercado mais uma vez foi maravilhoso! Só para constar!
Bom , estou a procura do novo comercial da Telefônica, que só vi ser exibido no Multishow. É baseado na Copa do Mundo e na superação de desafios. Achei muito bom e fiquei apaixonada! Procurei aqui na internet e nada! No site da Telefônica também não tem ainda. Alguém sabe como posso achar?

Representações brasileiras, por Mentos

Colegas,

A Mentos criou o IceKool. Natural do Pólo Norte, ele apresenta um programa de TV (Brasilis Kool) que dá dicas às pessoas que pretendem visitar o Brasil. O slogan é "O frio deixa tudo muito mais puro".

São quatro vídeos sobre Salvador, São Paulo e dois sobre o Rio de Janeiro.


Além disso, no site, vc encontra suas postagens no twitter e as fotos postadas no Flickr. http://www.brasiliskool.com.br/

Divirtam-se.

quinta-feira, 19 de novembro de 2009

Jornalismo Móvel

O jornalismo sempre esteve ligado à mobilidde, isso não é algo novo. Mas a forma de mobilidade se deu de fato com o avanço tecnológico. Aparelhos celulares, netboocks, com conexões sem fio, cada vez mais ganha espço no fazer jornalistco. E a produção de informações, podendo se feita em qualquer lugar e com uma velocida. Não só produção mas recepção também.

Em continuação com o tema sobre jornaismo móvel, Fernando Firmino trouxe algumas questões sobre a configuração, terminologias e tipologias sobre essa nova mobilidade do jornalismo. Por ele também foi exposto, de como os grandes grupos de comunicação estão fazendo uso desse aparato, e a resistência ainda resistente em relação a eles. As formas de utilização, o conjunto de atividades desenvolvidas a partir do avanço tecnológico, deu origem a algumas tipologas: jornalismo móvel, locativo e em redes sociais.

Firmino frisa que o uso das ferrementas em muitas redações ainda é muito incipiente. Segundo ele, essas ferramentas são imprescindíveis. Em 2001, não havia a convergência, tão forte quanto há hoje. Não existia celulares com câmeras. Firmino faz uma Ressalva: só no Japão, existiam alguns aparelhos com câmera. Em fase de testes, mas a qualidade ainda era muito ruím.

Fernando Firmino fala que em 1972, foram feitos os primeiros em celular. Depois da inserção de aparelhos móveis fz mis sentido falar em mobilidade. Para a televisão é mais complicado o uso deles, por conta ainda de uma questão de qualidade de imagem para a televisão. Mas as grandes redes já estão inserindo os celulares, em algumas matérias jornalíticas. Segundo ele a Globo aindaé resistente, por causa do padrão de qualidade por esta empresa. Em relação ao jornalismo em redes sociais, foi colocada sua importância e sua reverberação. Os blogs, microblogs têm uma importância e um lugar consolidado no que toca o jornalismo na rede. Um exemplo da em aula. O caso do apagão que aconteceu há poucos dias atrás. O Presidente da Itaipú, foi informado ds grandes propoções do acontecimento, e sabendo que as pessoas não podiam assistir a tv, para informar a população, ele cria uma conta no twitter, que pode ser acessado via celular. E em cerca de uma hora já havia mais de 10 mil pessoas seguindo a conta da empresa, onde estavam sendo divulgadas as informações sobre o apagão. Ao longo da aula foram mostradas as configurações do jornalismo depois do avanços tecnológicos.

Ética na Propaganda: Leis, normas e qualidade criativa

O Curso de Extensão Comunicação Publicitária e Mercado prossegue amanhã, das 9h às 12h, no auditório da Faculdade de Comunicação da UFBA, no Campus de Ondina. O tema central do Painel desta sexta é: Ética na Propaganda: Legislação, Autorregulamentação e "limitação criativa".

Fernando Carvalho, presidente da agência de publicidade Morya trará suas impressões e depoimento de 35 anos de experiência profissional como publicitário à frente da então agência Publivendas, atuando em diversos segmentos como: varejo de grande porte, imobiliário, serviços e Governo. Uma bagagem de muita história.
E a Ideia Criativa? Será que os criativos andam "engessados" pela discussão ética e pelas frequentes sanções do Conar (Conselho Nacional de Autorregulamentação Publicitária) ao conteúdo das campanhas e peças da Propaganda brasileira?
Antonio Miranda, que também estará presente ao evento acredita que não é esta a questão. Também experiente e premiado publicitário, ex-sócio da agência Artecapital, de Feira de Santana, Miranda vai expor o seu ponto de vista em relação à "limitação criativa" na Publicidade atual.
Laura Gurgel, coolhunter da Agência Única vai falar sobre o Conar e dizer como a Criação deve pensar para ser cada dia mais assertiva, dando exemplos de como a criatividade dos publicitários brasileiros não tem limites. " E é bom que não tenha mesmo", completa Laura.

O Curso de Extensão é gratuito e aberto a todos que queiram participar. Inscrições na entrada.

Comercial Axe Destinos



Os comerciais da Axe em sua maioria podem se resumir em: Usar Axe = Conseguir mulheres. Mas isso não quer dizer que a ideia não pode resultar em boas propagandas. Segue um ótimo exemplo criado pela Ponce Buenos Aires.

quinta-feira, 12 de novembro de 2009

Campanha de verão da Coca-cola





A Coca-cola, mais uma vez, surpreendeu com a campanha de verão.

Desde o início do horário de verão, adotado em algumas regiões do país, a Coca-cola começou a anunciar os comerciais na TV. A animação e a trilha sonora dão o efeito todo especial. Os conceitos são muito bem trabalhados e associados de forma harmônica, afinal o que é melhor que uma Coca-cola gelada para abrir o verão e, conseqüentemente, a felicidade?

Além dos anúncios televisivos, a campanha é integrada por hotsite, vídeos na internet, mídia exterior, rádio, cinema e embalagens especiais, para reforçar, de todas as maneiras os conceitos.

No hotsite, é possível participar de um karaokê, no qual você substitui as vozes do MV Bill, da Pitty ou do Di Ferrero, vocalista da banda NX Zero.

Dêem uma olhada no vídeo “Cielo” que mostra um casal de namorados “ensolarando” um dia nublado após abrir a Coca-cola (ou seria a felicidade?).

*ps: viciei !

http://www.youtube.com/watch?v=PPZ-pMIJNes

quarta-feira, 11 de novembro de 2009

Comunicação 2.0 no painel do Curso "Comunicação Publicitária e Mercado"



No painel da próxima sexta-feira, 13/11, a discussão será sobre Mídia e Pesquisa: incorporação e integração de novas ferramentas comunicacionais - o consumidor nos mercados de massa ou de nichos.

Os convidados serão Paulo Petitinga, diretor de Planejamento da SLA e Wagner Fontoura, estrategista em Mídias Sociais da Riot, de São Paulo.
Petitinga já foi redator, atendimento e planejamento de agências de comunicação em Salvador, Porto Alegre e Recife.
Ele vai analisar "Como as as novas tecnologias (entre as quais Internet e Mobile) devem mudar o paradigma da pesquisa mercadológica". Capilaridade, dinamismo, especificidade e baixo custo como prerrogativas de mais e melhor uso da pesquisa. Tudo pra ter um resultado mais assertivo e aproximar as marcas do consumidor.
Wagner Fontoura, além de expert em Mídias Sociais da Riot, agência e produtora de publicidade focada no assunto, pioneira e líder de mercado no Brasil e parte da América Latina, é editor dos blogs Boombust, Hitech Live e Nossa Via que, juntos, recebem mais de meio milhão de unique visitors por mês.



Fontoura apresentará o tema "Comunicação 2.0 - como as marcas se relacionam com as novas mídias e vice-versa", além de cases de ações em mídias sociais para Nokia, Microsoft, Editoras Globo e Abril.
As inscrições são abertas ao público e gratuitas. Para receber certificado é preciso apresentar R.G. e CPF e não faltar a nenhum dos próximos painéis.

sábado, 7 de novembro de 2009

Painel sobre Criação Publicitária abriu Curso de Extensão

O primeiro painel do Curso de Extensão "Comunicação Publicitária e Mercado" aconteceu na sexta-feira no auditório da Faculdade de Comunicação em clima de total descontração.
Os convidados Bruno Cartaxo (Ideia 3), Lucas Peixoto (Engenhonovo) e Faustão (Objectiva) trataram do tema Criação Publicitária dando dicas importantes para quem quer trilhar este caminho no mercado da propaganda baiana. Contaram suas experiências, discutiram a criatividade de resultados e mostraram peças referenciais para a publicidade local, nacional e mundial.
O evento teve cobertura em tempo real pelo Twitter. Para saber um pouco mais do que aconteceu, veja um trecho da informal apresentação do multimídia Faustão sobre Criação para Rádio, num vídeo realizado por Marcel Ayres.
Os palestrantes foram convidados pela Profa. Annamaria Palacios, coordenadora do NEPP, para participarem das próximas reuniões do grupo de pesquisa e, assim, estreitarem ainda mais a relação do mercado publicitário com o ambiente acadêmico.
O Curso de Extensão, aberto e com inscrições gratuitas acontece todas as sextas-feiras de novembro, das 9h às 12h, no auditório da FACOM/UFBA, no Campus de Ondina. Para receber o Certificado de Extensão é preciso 75% de frequência, portanto, não se pode perder os três próximos painéis:

13/11 - Mídia e Pesquisa: incorporação e integração de novas ferramentas comunicacionais - o consumidor nos mercados de massa ou de nichos.
20/11 - Ética na Propaganda: Legislação, Auto-Regulamentação e "limitação criativa".
27/11 - Mídia e Poder: reflexões sobre Publicidade Governamental e Partidária.

sexta-feira, 6 de novembro de 2009

Ubisoft cria experiência no Twitter para promover game “Assassin’s Creed II”


Para quem não conhece, “Assassin’s Creed” é um jogo para PC/Xbox 360/PS3 que te coloca no papel de um exímio assassino na época dos Templários. A sequência do game, que será lançada no dia 23 de novembro, terá sua trama centrada na Itália do século XV.

A "Assassination Experience" apesar de poder ser experimentada diretamente no site do produto, representa um dos usos mais criativos e complexos do Twitter em uma ação publicitária até o momento. Para entender por completo é preciso testar na prática, mas vou tentar explicar:


Trata-se de uma batalha social em tempo real, em que os jogadores utilizam seus perfis no Twitter para enviar comandos específicos de ataque, defesa e fuga. Após conectar seu Twitter com a plataforma, um outro usuário é indicado como seu alvo. Assim que você twitta um ataque, a vitíma terá um limite de tempo para responder, podendo digitar as ações diretamente ou usar a interface de ícones no site.

As missões são enviadas aleatoriamente durante o dia, portanto, é preciso ficar de olho na aba de replies do seu perfil no Twitter. Conforme participa e responde as ações de outros jogadores, você ganha novas armas e habilidades. Os pontos e rankings ficam registrados também no site assassinscreed.com/twitter

A inovação está mesmo no uso do Twitter, já que a brincadeira é basicamente um Adventure/RPG textual, assim como muitos jogos da década de 1970. O site ainda disponibiliza um data visualization das batalhas.

Para os não gamers e/ou para os nãos conhecedores de “Assassin’s Creed”, a ação pode soar complicada, mas é pertinente para o público que interessa e ainda usa O Twitter, a ferramenta online de mídia social mais hypada da década, de forma que nenhuma marca conseguiu fazer até hoje. Sem invasão, sem spam, só por opção do usuário.


Fonte: Ubisoft cria experiência no Twitter para promover “Assassin’s Creed II”

quinta-feira, 5 de novembro de 2009

I Curso de Extensão "Comunicação Publicitária e Mercado"



A partir desta sexta, 06/11, das 9 às 12h, o NEPP - Núcleo de Estudos e Pesquisa em Publicidade e Propaganda e a nossa disciplina, Análise de Publicidade e Propaganda realizarão na Faculdade de Comunicação da UFBA o Curso de Extensão "Comunicação Publicitária e Mercado: uma discussão sobre o modo de pensar e fazer Propaganda".

O Curso tem o formato de 04 mesas temáticas, conforme programação:

06/11/2009 – Criação Publicitária: mudanças no processo criativo - formatos tradicionais x conteúdo.
13/11/2009 – Mídia e Pesquisa: incorporação e integração de novas ferramentas comunicacionais - o consumidor nos mercados de massa ou de nichos.
20/11/2009 - Ética na Propaganda: Legislação, Auto-Regulamentação e "limitação criativa".
27/11/2009 – Mídia e Poder: reflexões sobre Publicidade Governamental e Partidária.

Além de grandes profissionais de agências baianas o evento contará com a presença de Wagner Fontoura (SP), estrategista de mídias sociais da Riot, agência especializadas em mídias sociais.



O tema da palestra do Fontoura será “Comunicação 2.0 – como as marcas se relacionam com as novas mídias e vice-versa” e trará cases de ações em mídias sociais para Nokia, Microsoft, Editoras Globo e Abril. Fontoura já confirmou sua participação na mesa do dia 13/11.
No dia 27 o professor visitante Eduardo Camilo, da Universidade da Beira do Interior (Portugal) falará sobre um case de marketing político: o uso dos cartazes na propaganda eleitoral lusitana.

Foram disponibilizadas 100 vagas e as inscrições são gratuitas. Os interessados podem inscrever-se na própria Faculdade de Comunicação (Rua Barão de Jeremoabo, Campus da UFBA, em Ondina), no NICOM, das 8h às 12h, até o dia 05 de novembro ou na abertura, dia 06 de novembro.

Para maiores informações acesse http://neppufba.blogspot.com/ ou entre em contato através do email: nepp.ufba@gmail.com.

quinta-feira, 29 de outubro de 2009

Melhor briefing do mundo


Querido Andy,
Estou muito feliz pelo fato de você poder fazer a arte do nosso novo álbum de hits. Aqui vão duas caixas de material que pode ser usado, e o álbum.
Na minha curta experiência, quanto mais complicado o formato do álbum, por exemplo, mais complexo do que páginas ou um encarte dobrado, pior é a produção e mais agoniantes os atrasos. Dito isso, deixo em suas mãos capazes a permissão de fazer o que quiser… e por favor, escreva de volta para dizer quanto dinheiro você quer.
Sem dúvida o Sr. Al Steckler vai contatá-lo em Nova York com mais informações. Ele provavelmente vai parecer nervoso e dizer pra você se apressar, mas não dê bola.
Com amor,
Mick Jagger
(Extraído do site link ninja. Segue o link: http://linkninja.com.br/l38358)

Ação usa moscas como mídia para promover editora

Essa ação reforça a afirmação de que hoje tudo pode virar mídia. Até moscas. É isso mesmo.
Para promover e fazer com que as pessoas visitassem o stand uma editora chamada Eichborn (que usa como símbolo uma mosca) durante a Feira do Livro de Frankfurt, a agência Jung von Matt/Neckar resolveu inovar amarrando pequenos banners em moscas varejeiras que circulavam perto do stand e pousavam no seu “target” causando curiosidade.


http://www.youtube.com/watch?v=ldC7FQiUJ6s&feature=player_embedded

Agora me digam: Nojento? Será que dá resultado?



(Extraído do miniblog Comunicadores. Segue link: http://comunicadores.info/2009/10/29/acao-usa-moscas-como-midia-para-promover-editora/)

sexta-feira, 9 de outubro de 2009

Microsoft estreia campanha para o Windows Phone



A Microsoft estreou o primeiro comercial para o seu Windows Phone, concorrente direto do iPhone e Android

Tecnicamente, o Windows Phone é a nova versão do sistema operacional Windows Mobile, a 6.5, só que agora dando nome também ao hardware. A campanha para o gadget inclui comercial de TV, mídia impressa e exterior, com foco nas aplicações tradicionais que as pessoas já utilizam no desktop, mas que podem ser levadas também no bolso.

Segundo pesquisas da Microsoft, menos de 10% dos usuários de PC sabem que podem ter os mesmos softwares também no celular. O Windows Phone conta com apenas 60 aplicativos, contra os mais de 85 mil disponíveis para iPhone, porém, como você vai ver no comercial abaixo, a empresa de Redmond conta com a fama e grande base de usuários dos pacotes Office, MSN, etc.

Atente para o “Twitter” entrando no porta-malas…


fonte: Microsoft estreia campanha para o Windows Phone

quinta-feira, 8 de outubro de 2009

Projeto sobre publicidade para crianças é aprovado por comissão

Lembram quando falavamos sobre publicidade para crianças? Pois bem, a Comissão de Desenvolvimento Econômico, Indústria e Comércio da Câmara aprovou ontem (07/10) um projeto que considera abusiva a publicidade que incite crianças à violência ou viole seus direitos. O projeto seguirá agora para a Comissão de Constituição e Justiça da Câmara e, se aprovado, vai para o Senado.
Tênue é ditar e delimitar que tipos de publicidade vão incitar "crianças à violência ou viole seus direitos". Falta ainda mais clareza nesse ponto..

quarta-feira, 30 de setembro de 2009

Vota !



Enquanto vivíamos a expectativa da liberação da internet para as Eleições de 2010 - numa remendada reforma eleitoral, finalmente sancionada por Lula -, do outro lado do Atlântco, os portugueses, que já possuem legislação específica para o assunto, promoviam suas Eleições Legislativas usando peças de não mídia como essa: cartaz feito para conquistar jovens eleitores para o Partido Social Democrata.


Braskem lança primeiro comercial institucional!!

A Braskem lança seu primeiro comercial institucional, como ela mesmo se define! Através da W/Brasil. O video começou a circular essa semana pelo país. Bem interessante e com uma otima narrativa, isso mostra que um dos simbolos da economia baiana pensa em um excelente enquadramento e garante mais projeções nas suas comunicações integradas.

Video disponivel no site da Braskem!

segunda-feira, 28 de setembro de 2009

Novos meios, velhas idéias.

Na publicidade uma coisa é obrigatória: criatividade.
Não, essa afirmação não é nada original - muito pelo contrário: é batida e rebatida. Porém quando tratamos de publicidade digital, muitas vezes isso é completamente esquecido em detrimento do hype da tecnologia em si.

Se você quer dizer que o produto X é moderno, basta fazer uma ação de mobile marketing para ele. Que ação? A mais papai-mamãe o possível: distribuição de conteúdo multimidia (via bluetooth, de preferência"). Que conteúdo? Um ringtone, um folder digitalizado ou uma fotografia.

Realidade Aumentada, Location Based Services, esses e todos os outros recursos que são oferecidos pela tecnologia hoje são muito legais, mas são apenas meios. Inconscientemente, hoje tendemos a confundir o meio com a mensagem (fazendo uma pequena, e talvez descabida, alusão a McLuhan). Muitas ações no campo da publicidade digital hoje destacam os recursos tecnológicos, mas carecem de idéias.

A tendência hoje, como bem sabemos, é integrar o físico (ou real, ou até tradicional, se preferirem) e o digital. E falar disso hoje é falar de Realidade Aumentada. Por que? Porque é o hype. Mas existem outras formas de fazer isso. Uma delas foi a solução encontrada em um anúncio impresso para o lançamento do Axe Day e Axe Night, no Uruguai.

O anúncio aparecia incompleto, com partes "importantes" substituídas por quadrados brancos. No texto, pedia-se para que o leitor enviasse um SMS para o ShortCode da AXE (após as 21h, é válido ressaltar). Após fazê-lo, ele recebe um MMS com as partes faltantes do anúncio:


A Lowe Ginkgo fez uma das melhores ações de mobile marketing que eu já vi com uma das primeiras ferramentas de mobile marketing (e a mais elementar): o SMS.

Claro que isso também poderia ser feito com realidade aumentada, mas exigiria uma série de complicações e o público-alvo atingido seria bem menor. Mas o pessoal da Lowe Ginkgo sabe disso, e a escolha foi completamente consciente, porque eles não pensaram nos meios e sim na mensagem (e na forma mais eficaz de transmiti-la).

Fonte: Axe usa SMS para completar anúncio impresso.

sexta-feira, 25 de setembro de 2009

Bradesco e a Realidade Aumentada

bradesco-iphone-realidade1

Há poucos dias foi publicado no Youtube um vídeo - realizado pela Insula Comunicação - que mostra um aplicativo de Realidade Aumentada do bradesco para iPhones. Misturando elementos virtuais em ambientes físicos, o aplicativo foi batizado com o nome Presença. O funcionamento do aplicativo é bem simples: o usuário baixa o programa para o iPhone, aponta a câmera do celular para uma determinada área e aparecem na tela a localização das agências do banco Bradesco que existem na região. O aplicativo informa a distância que usuário está do estabelecimento, atualizando os dados conforme mudança de posicionamento. Além disso, o aplicativo pode funcionar como uma bússula (GPS) indicando através de setas os caminhos que o usuário pode seguir para chegar até as agências e caixas eletrônicos do banco.

Veja o vídeo:


Via blog - marcel ayres

Aplicativos sociais e branded entertainment

Coleguinhas e leitores em geral, seguem abaixo duas apresentações. A primeira é aquela sobre aplicativos sociais que mostrei hoje em sala (relevem o jabá: afinal, tenho que botar feijão em casa). A segunda é uma mais antiga feita para o Observatório de Publicidade em Tecnologias Digiais. Parte dos dados estão desatualizados, mas quem quiser ver mais exemplos de branded entertainment pode conferir o case da Locaweb e o da Vogue:


terça-feira, 22 de setembro de 2009

Havaianas, vovó e sexo !

Segundo a professora Tereza,nossa sala gosta muito de anúncios, comerciais, spots - e todos os outros modos de fazer publicidade - com alto teor pornográfico. Na semana passada, inclusive, fizemos uma rápida enquete sobre quem tinha gostado do novo comercial das sandálias Havaianas. Algumas meninas queixaram-se do fato de Cauã Raymond aparecer rapidamente, como se compusesse o cenário. Deixando esse detalhe de lado, a aprovação do comercial foi quase geral.

No entanto, nesse final de semana começou a ser divulgada outra peça desta mesma campanha: a vovó, agora, justifica o fato de o comercial ter sido retirado da TV - algumas pessoas se sentiram incomodadas - e de estar circulando, somente, pela Internet - para aquelas pessoas que adoraram o comercial.

No site brainstorm9, Carlos Merigo defende a idéia de que ambos os comerciais já tinham sido gravados pela agência publicitária e que o filme não foi retirado do ar por uma decisão do CONAR.

Segundo Merigo, tudo não passa de uma estratégia de posicionamento das Havaianas: moderna e democrática.

E ai? Qual a opinião de vocês?

Sendo ou não verdade, a Havaianas acertou na dose de "polêmica" dada ao comercial.

segunda-feira, 21 de setembro de 2009

Um pouco sobre Mobile Marketing

Temos hoje a iminente necessidade de pensar um pouco sobre novos ambientes de comunicação e novos formatos de interação, possibilitados à publicidade pelas novas tecnologias. Destaco aqui alguns casos interessantes de Mobile Marketing como exemplo desta preocupação:

View more documents from Ian Castro.
Esta é uma pequena apresentação, realizada última sexta-feira, que pauta algumas das práticas mais recorrentes e tendências do Mobile Marketing, explorando as possibilidades das tecnologias móveis, principalmente da interatividade e da personalização, para chegar efetivamente ao consumidor.

É um dos meios...

quarta-feira, 16 de setembro de 2009

Propaganda de Creme Dental

Um dos primeiros comerciais do Creme Dental Kolynos remete a ideia da evolução do tipo de posicionamento da marca por atributos, tema abordado por Marcélia Luppeti no capítulo 4 do seu livro "Gestão estratégica da comunicação mercadológica". As atuais marcas de creme dentais partem para um caminho mais extenso com relação ao seu posicionamento, e além de abordar o hálito refrescante e a limpeza bucal, coloca em questão a prevenção contra cáries e os dentes mais brancos.

Neste comercial, onde a atriz Regina Duarte atua, percebe-se que é visível o teor ainda primário da marca Kolynos.

http://www.youtube.com/watch?v=ujJa0jaox7Y&feature=related

Propagandas que nunca foram ao ar

Esta propaganda da Suvinil foi feita apenas para "cair" na Internet e ser espalhada rapidamente, sem intenção nenhuma de ir para TV ( nem da pra perceber , né? ¬¬ )


http://www.youtube.com/watch?v=JJq0WjyQbQQ

E tem mais propagandas desse tipo na rede, é só dar uma olhadinha no YouTube mesmo.


Alguém aí com saudades do Clô?

terça-feira, 15 de setembro de 2009





Com o "boom" dos sites de relacionamentos as empresas estão criando a cada dia novas estratégias para se utilizar desses sites para promoção.

A Saraiva está com uma promoção estratégica bem interessante no ar. Exclusivamente via Twitter, eles estão promovendo uma caça ao tesouro pelo site da loja.

Mecânica super simples: - Prêmios (legais) são “escondidos” em páginas de outros produtos pelo site. - Dicas são tuitadas pelo @saraivaonline. - A primeira pessoa que tuitar o código do produto encontrado através das pistas, ganha o prêmio do dia.

Tem uma página explicando tudo: livrariasaraiva.com.br/11-ANOS e o twitter também: twitter.com/saraivaonline

Seegundo o criador, Eme Viegas que trabalha na iThink, em apenas 3 dias já tiveram um aumento de 4000 seguidores no twitter, sem robô.

Campanha contra Aids usa Hitler como garoto propaganda...ou de programa.

Foi a nova campanha alemã de prevenção da Aids veiculada na TV, lançada sob o lema "A Aids é um assassino em massa. Proteja-se". As imagens são ousadas, mas não fogem ao padrão de erotismo de outras campanhas semelhantes. A surpresa surge quando, após os 47 segundos de vídeo, se percebe que o homem envolvido nesta cena é Adolf Hitler. A alusão a "assassino em massa" ganhou novos contornos e instalou a polêmica.

O conceito desenvolvido pela agência alemã Das Comitee - que contempla também cartazes com Hitler, Estalin e Saddam Hussein - atingiu o primeiro objectivo, cumpriu o papel publicitário criando um recall em torno do assunto: despertar a atenção dos alemães para o facto de a Aids já ter matado cerca de 30 milhões de pessoas em todo o mundo. O publicitário criador, Dirl Silz, justifica que o vírus da Aids não poderia ter uma cara boa, e que o rosto escolhido provocou o mesmo horror que o vírus da Aids vem causando no mundo.

A agência planejou estrategicamente a ação e tudo saiu conforme previsto. Queriam fazer o oba-oba, gerar polêmica, sacudir, chamar atenção de todos antes da Jornada Mundial contra a Aids, agendada pra o dia 1º de dezembro. Conseguiram.


video

Os pedidos de suspensão da campanha não tardaram. E reabriram também a discussão sobre as fronteiras que a publicidade não deve atravessar. O senso comum diz que os limites da publicidade são o bom senso e a lei. Mas Jorge Teixeira, diretor criativo da agência Excentric, vai mais longe: "Geralmente o limite da publicidade é o bom senso de quem passa o cheque."


As agências arriscam sempre um pouco mais quando não há uma relação cliente/agência tradicional: é uma causa mais abstrata e que não arrisca ferir o patrimônio do investidor. Além disso, estas polêmicas permitem promover as agências e ganhar prêmios. Isso é mais difícil de conseguir no trabalho normal do publicitário.

domingo, 13 de setembro de 2009

Boa ideia, bons resultados.

Em maio de 2009, foi veiculada uma campanha publicitária (http://www.youtube.com/watch?v=GWtiTkgjs-w) da Associação Portuguesa dos Profissionais de Marketing - APPM. Não há dados sobre a campanha, mas vale a intenção de mostrar a criatividade do pessoal e a dica que boas ideias dão resultado.



Avana Cavalcante.

Usos criativos de materiais inusitados em publicidade impressa de revista

Boa parte dos anúncios mais criativos em publicidade impressa são aqueles que utilizam a própria fisicalidade do suporte para surpreender. No caso de revistas, comumente são encontrados exemplos fascinantes do uso de papéis especiais, tridimensionais, texturas, adesivos, cortes, cheiro e até sabor! Recomendo, para se inspirar e aprender, recorrer ao blog do Frederik Samuel. Vejam alguns exemplos retirados abaixo:





E, um dos mais curiosos (e polêmicos), anúncios de revista desse tipo:

sexta-feira, 11 de setembro de 2009

Axe Music Star - Realidade Aumentada

Com o desenvolvimento cada vez mais aceleredo de tecnologias interativas, dentre elas a realidade aumentada (RA), é possível observar como o campo publicitário está utilizando em larga escala as mídias digitais como ferramentas estratégicas de posicionamento e branding on e offline. Levando em conta a grande possibilidade de aplicações proporcionadas pelos sistemas de RA, a Unilever lançou na Argentina uma campanha inovadora para a nova fragrância do desodorante Axe - o Axe Music Star. O diferencial da campanha, voltada para o público jovem, está na união de dois fatores: interatividade e entretenimento associado ao produto.

Para participar do game, basta acessar o site oficial - www.axemusicstar.com -, selecionar um país, ativar a webcam e apontar a embalagem do Axe Music Star. Atrás de cada embalagem existem marcadores que são identificados pela câmera e, consequentemente, geram um joystick virtual no qual os usuários podem utilizar para controlar os instrumentos musicais do jogo. A criação desse sistema de RA, que se integra a um comercial televisivo (veja abaixo), foi da Ponce Buenos Aires.


Axe Music Star - RA


Video Publicitário do Axe Music Star



Fonte: Adivertido

quinta-feira, 10 de setembro de 2009

"Para saber se uma madeireira tem futuro, veja que floresta fica perto dela. A nossa é a Amazônia."



Para saber se uma madeireira tem futuro, veja que floresta fica perto dela. A nossa é a Amazônia. Dizia esse anúncio para captação de incentivos fiscais publicado em 1972 que prosseguia com a seguinte argumentação:

“A Cia. Madeireira São Miguel não tem motivo para se queixar da vida. A maior reserva florestal do mundo fica ali, no fundo do quintal. A fábrica está perfeitamente aparelhada. As máquinas funcionam 16 horas por dia. E o próximo cargueiro, com carga total de serrados de madeira, está para sair do nosso próprio porto”.

Antes do caro leitor ficar chocado ou julgar esse anúncio o cúmulo do cinismo... [ler mais no Promo Planners]

Claro Teste e Claro Escolha.

Uma campanha que, a meu ver, não pode deixar de ser citada aqui, é a campanha atual da empresa de telefonia móvel Claro com os filmes "Claro Web" e "Dúvida". Os filmes, ambos executados pela AlmapBBDO, têm alcançado um grande reconhecimento público por sua alegria, criatividade e - digamos - "efeito grude".

Utilizando-se de estratégias de comunicação massiva - a constante exibição nas TVs aberta e fechada, em horários nobres (e não-nobres!), a utilização de antigos hits da música internacional, além de um humor contagiante, tudo isso com uma invejável simplicidade de idéia e entendimento - conseguiu-se fazer uma campanha bem-sucedida, além de popular e sem deixar de lado a qualidade e a criatividade.

A primeira campanha a ser lançada foi a "Claro Teste" que anunciava as vantagens da portabilidade e confiança na marca, cujos produtos o usuário poderia testar antes de vincular-se à operadora. O comercial para TV ganhou o nome de "Dúvidas" embalado pela trilha sonora (genial, diga-se de passagem) de "Should I Stay or Should I go" do Clash - que apesar de ser uma banda punk, a música específica é extremamente pop. O filme não é tão simples no quesito produção, mas a simplicidade está na idéia de simplesmente mostrar situações de hesitação em que tudo se resolveria se pudéssemos "dar uma experimentada" antes, e no fato de a música traduzir tudo com apenas o refrão. A estética além de linda é condizente com tudo o que a Claro tem feito, com tons bem claros (claro!) estourados mesmo, bem diurnos, geralmente com fundo azul e ressaltando o vermelho, claro. ;) Inclusive, os atores são quase todos ruivos. (!) Meio forçado, mas eu acho válido pela estética. (tipo, ruivos, ferrugem, sol, claro... :P)



A segunda, é a campanha "Claro Escolhas" baseada na novidade de (hiper)flexibilidade da operadora, tentando conquistar clientes que não se adequam a planos fixos de telefonia móvel, visando a otimização dos benefícios, com o argumento de que na Claro o cliente pode escolher as mais variadas combinações de plano e para tanto utilizando a imagens de muitas personagens de esterótipos bem distintos entoando o refrão "That´s the way (ahum ahum!) I like it! (ahum ahum!)" :D e cada um mostrando a forma como ele gosta. A esse comercial foi dado o nome de "Claro Web", acredito que devido ao layout fragmentado em quadrinhos como se cada pessoa estivesse da sua casa falando para uma webcam, numa feliz associação à preservação da individualidade de cada. E os quadrinhos multiplicam-se dando a idéia de inúmeras possibilidades. O estabelecimento do diálogo entre o locutor e os que seriam os clientes da Claro (intercala-se perguntas e respostas), foi essencial para se ter um sentimento de proximidade com a empresa, como se o usuário tivesse intimidade e por isso, fizesse o que bem entendesse do seu plano. Além de o texto ser muito bem escrito - no sentido da intenção - e a narração ter a entonação ideal de descontração.
O filme também foi realizado pela AlmapBBDO com trilha da empolgante balada funk "That's the Way I Like it" de KC & The Sunshine Band.



Na minha opinião, o segundo filme é ainda melhor que o primeiro devido à criatividade, à simplicidade em todos os sentidos e ao fato de que claramente o comercial é um hit tal qual a música o foi, porque gruda mesmo. A felicidade pela liberdade de escolha é estampada nas pessoas, nas cores, na música e até no locutor! E é contagiante, o público realmente sente vontade de cantar. Um comercial simples, bonito, barato, criativo, bem-sucedido e ainda popular. Pra quê melhor?

As trilhas sonoras caíram como uma luva em ambos os vídeos porque além de traduzirem em uma única frase a idéia do filme, são hits populares, que alcançam diferentes gerações e que mesmo sendo em inglês, utilizam-se de uma única "frase-refrão" muito clara e várias vezes repetida, o que permite que se entenda ao menos a idéia, mesmo aqueles que pouco entendem a língua. Claro que há pessoas que não têm um mínimo entendimento de inglês e talvez para elas o comercial não funcione tão bem, mas eu imagino que elas não façam parte da maioria constituinte do público-alvo da propaganda.

Ambos os filmes têm Direção de Criação de Marcello Serpa, Dulcídio Caldeira e Luiz Sanches. O primeiro produzido pela O2 Filmes e o segundo pela Delicatessen Filmes.
Ficha técnica completa no site da AlmapBBDO: www.almapbbdo.com.br

segunda-feira, 7 de setembro de 2009

TIM e Blue Man Group

A campanha de posicionamento institucional da TIM Terra Azul é protagonizada pelo grupo norte-americano Blue Man Group. Criada pela NEOGAMA/BBH, o filme está no ar desde maio em todo o território nacional. Durante este mês, a TIM traz ao Brasil a turnê do Blue Man Group – 02 a 13 de setembro em São Paulo; 16 a 20 de setembro no Rio de Janeiro.

Como não poderia deixar de ser, o patrocínio da turnê brasileira ainda faz parte da estratégia de publicidade da TIM. O diretor de marketing daTIM, Rogerio Takayanagi declarou que o “objetivo é introduzir um novo formato de comunicação com alto nível de identificação com a marca e o Blue Man Group nos ajuda muito nisso. Além de serem irreverentes e impactantes, são extremamente diferentes. Não dá para não notar um homem azul em uma peça publicitária. Por isso, decidimos patrocinar a turnê”, completa.

A escolha do grupo para estrelar nessa campanha publicitária teve, portanto, como ponto central os conceitos afins entre eles e a marca. Ambos propõem inovação, comunicação, mente aberta, versatilidade e modernidade. Além disso o número dos integrantes do grupo coincidem com o número de letras da marca da operadora.

No comercial “A Terra é Azul” há uma brincadeira subliminar com as cores das outras operadoras (Claro, Oi e Vivo). Confiram:

http://www.youtube.com/watch?v=noCa___zGpg

Fontes: Site Paranashop, Site oficial da TIM e YouTube.

sexta-feira, 4 de setembro de 2009

Comercial da Amanco

Galera, a maioria de vocês já viu esse comercial da Amanco, mas essa semana descobri um detalhe interessante nele.
Quando ele foi produzido a Argentina tinha 21 titulos da Libertadores, mas a ultima edição da Libertadores quem ganhou foi o Estuadiantes, ou seja, mais um titulo argentino.
Descobri isso por um acaso, quando os argentinos falam dos titulos, na tela o numero muda, de 21 pra 22.
Como não consegui postar o video, segue o link, vejam:

http://www.youtube.com/watch?v=Ph090XkibPc&feature=related

Um Abraço a todos

quarta-feira, 26 de agosto de 2009

Branded Content da Pampers

A Pampers (estadunidense) acaba de lançar “A parent is born“, uma websérie de 12 episódios.
Apesar de alguns criticarem, eu achei a iniciativa muito interessante.
 
O site da Pampers, recentemente reelaborado, já é uma ferramenta que merece atenção: o site respeita o usuário e não subestima sua inteligência e capacidade de julgamento, enquanto consumidor. É óbvio que sua proposta é publicizar a marca através do conteúdo, mas seu grande diferencial está na forma como isso é feito (em relação a outros sites semelhantes).
Como rege os princípios do Branded Content (ou Comunicação por Conteúdo, em tradução livre), todo conteúdo é extremamente pertinente ao público-alvo da marca: a profundidade das informações deixa claro que elas não são apenas uma componente secundária na ferramenta, não estão ali somente para contextualizar a marca, elas são o objeto da ferramenta, enquanto a marca (aparentemente) é secundária.

É claro que Patrick Kraus, diretor de marketing da Pampers, afirma que o site e todas as suas ferramentas de comunicação on-line são “apenas” uma tentativa da marca de se promover como uma (inocente) plataforma de conteúdo, mas não precisamos ser ingênuos a ponto de acreditar nisso – nem por isso, deixe de acessar o site, se você for pai ou mãe, pois ela, com certeza, terá muito do que você procure ou se interesse.
 

sexta-feira, 21 de agosto de 2009

Crossmedia, versão 2.0

A realidade aumentada pode ser basicamente definida como integração do mundo real e elementos virtuais por determinadas tecnologias. Sua principal manifestação hoje, ou pelo menos a mais conhecida, é a “ampliação” de vídeos transmitidos ao vivo pelo computador, com gráficos virtuais.

Esta tecnologia (assim como este conceito) está sim sendo utilizada exaustivamente nos últimos tempos, tanto dentro (pasmem) quanto for a do Brasil, mas eu não seria radical do ponto de afirmar que a “realidade aumentada para simplesmente salientar na tela do computador ou do celular do usuário algo que se refere ao conteúdo de uma campanha, já virou feijão com arroz”, como diz o Gabriel Jacob, do blog Advertido. Ainda estamos engatinhando no descobrimento desta tecnologia, o problema é que nos deixamos levar muito pelo hype do vídeo. Porque não desenvolvemos uma ação de RA exclusivamente com áudio? Não é porque não utilizaremos elementos visuais que não teremos um bom resultado, basta ter criatividade. Mas não falaremos disso (agora), falaremos exatamente de como uma ação conseguiu driblar esse (suposto) “feijão com arroz”.

A JWT lançou, no Reino Unido, uma campanha que tenta fugir do “lugar comum” da realidade aumentada juntando em uma única ação três “lugares comuns” (dois, na minha opinião, muito mais batidos que a RA). A ação utiliza um QR Code, veiculado em determinadas revistas britânicas, para ativar o Layar, plataforma de RA para smartphones com Android (o que ao meu ver restringiu consideravelmente o público, já que o sistema da Google ainda tem pouco marketshare), que apontará caminhos para a concessionária da Mazda mais próximas do usuário – a partir do suporte do sistema GPS do Google, claro.


A campanha é realmente curiosa, muito bem idealizada.
A integração dos serviços realmente é um diferencial, mas não achei que fugiram do feijão-com-arroz; não foram dadas utilizações diferentes ás ferramentas, cada uma delas foi utilizada da mesma forma como seria individualmente, a JWT apenas encurtou caminhos: o QRCode tirou o usuário do suporte físico e levou para o virtual, link usuário com mundo virtu o Layar, o Layar e o GPS apontaram caminhos. Nada de novo.

Fontes: Mazda mescla R.A. com QR Code e GPS.

O que o tio Obama nos ensinou sobre internet?

Chovem publicações acerca da campanha publicitária/política do presidente estadunidense Barack Obama na internet e nas livrarias de todo o mundo. Sem dúvida foi um trabalho que inspira e provoca admiração em qualquer planejador, mas precisamos pensar no que ela, de fato, ensinou a nós, brasileiros.

Antes de qualquer outra coisa, nos ensinou que (ainda) não podemos pensar em trazer uma campanha nesses moldes para o Brasil. Isso é fato. Mas, ainda mais óbvio que isso, é a lição que o uso (criativo) das mídias digitais e da internet pode ser crucial em uma campanha eleitoral.


No Brasil (ainda) temos a mania de fechar os olhos para a internet. Fechamos os olhos para o fato do povo brasileiro ser muito mais adepto às redes sociais e à blogs que o internauta global padrão; fechamos os olhos para o fato de 90% dos usuários urbanos no Brasil utilizarem a internet, principalmente, para se comunicar; fechamos os olhos para o fato do nosso tão querido “horário nobre” a televisão não mais concentrar (plenamente) a atenção do brasileiro; resumindo: fechamos os olhos para muitos fatos.

Não estou afirmando  que a internet é o Santo Graal da comunicação. Não mesmo.
Vivemos em uma era onde a reprodutibilidade técnica está em seu auge, portanto somos (essencialmente) massivos. Mesmo em um país no qual parte esmagadora da população é digitalmente incluída e ativa, Obama atingiu com sua campanha digital apenas 34% do eleitorado. Portanto sim, ainda somo massivos; e nada mais natural que uma comunicação massiva para um público massivo. Mas esta massa termina não sendo tão homogênea assim.

Desta percepção partiram várias pequenas revoluções. A que pauta qualquer agência de comunicação hoje é a idéia de comunicação integrada. Mas um grande equívoco da idéia de comunicação integrada da forma como é utilizada hoje é o não reconhecimento que a comunicação deve ser integrar-se por meio de linguagens diferentes, características de meios diferentes. A internet é uma nova linguagem; é necessário então, primeiramente, dominar essa linguagem. É para isso que mais fechamos os olhos.

O uso que Obama fez da internet foi completamente distinto do que McCain ou Hillary fizeram. Para ele o centro da campanha era a internet; seu relacionamento mais sólido era com os internautas, enquanto McCain, por exemplo, os considerou como público periférico. Até hoje Obama dialoga com seus ditos “militantes digitais” antes de ir à massa – assim como fez ao agradecer pela vitória. Ele não utilizou somente a internet como um meio/ambiente/canal (ou seja lá quais forem as outras classificações que os estudiosos tentam atribuir a ela), ele reconheceu seu potencial democrático e se concentrou em construir uma relação direta com o eleitor.

É neste estágio que nos encontramos no Brasil, porém temos que achar caminhos diferentes.
Já estamos cansados de saber que o “internauta médio” do Brasil é assíduo em sites de multimídia, demandando e interagindo com conteúdo constantemente. Também sabemos que seu engajamento com produção e consumo de multimídia é superior ao de outras formas de conteúdo – só em 2008, o YouTube foi acessado por 48% dos internautas brasileiros, crescendo 26% em relação ao ano anterior, e hoje ele é o terceiro site mais acessado no Brasil. Uma pesquisa do grupo E.LIFE determinou que 80% do conteúdo gerado por usuários no Brasil está dividido em Orkut (50,78%), Blogger/Blogspot (25,03%), WordPress (2,96%), ReclameAqui.net (2,22%), YouTube (2,19%) e Flickr (1,10%).

Sabemos onde o brasileiro produz e consome conteúdo. Que tal começar a traçar este caminho?
Ben Self, responsável pela campanha on-line de Obama, e o próprio presidente viram seu caminho. Eles marcaram presença onde o internauta estadunidense estava: Obama agiu nas mídias sociais já existentes, engajando os eleitores em sua campanha e facilitando a doação com widgets espalhados nas mais diversas redes sociais – ao contrário de seu principal oponente que apenas pediu a seus eleitores que acessassem seu site e doassem fundos.

O resultado? Sem contar o fato de que ele foi eleito presidente dos Estados Unidos, temos uma campanha histórica. Os seus indicadores porém, são um pouco diferentes dos tradicionais, como: (aproximadamente) 500 grupos (feitos espontaneamente) no Facebook; quantidade enorme de fotos na página de Obama no Flickr, produzidas tiradas por voluntários durante a campanha; discursos e videoclipes publicados no YouTube; entre (muitos e muitos) outros.

A internet tem um potencial imenso, isso é indiscutível; basta saber utilizá-la. Só que, para isso, é preciso alguém que seja familiar com o ambiente, entenda sua linguagem e seja capaz de dar à política uma roupagem (minimamente) interessante.
Isso, sim, é o mais difícil – e o mais caro.

sexta-feira, 14 de agosto de 2009

Beba Café

Campanha citada em sala de aula:



Ficha Técnica
Anunciante: Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento
Agência: SLA Propaganda
Tìtulo: Café é Saúde
Aprovado por: Rosa Reis e Caterine Machado
Criação: Lívia Diamantino, Gal Andrade e Joshu
Produção Gráfica: Karla Karr e Lara Lima
Revisão: Cassio Santos
Produtora de áudio e vídeo: Ink